Tratamentos - Drenagem Pós Operatória
Drenagem Pós Operatória

Criada nos anos 30 pelo dinamarquês Voldder e sua esposa, a drenagem linfática é uma técnica de massagem que proporciona a redução de líquidos acumulados no organismo e, quando realizada depois de uma plástica, reduz o edema (inchaço), ou seja, é obrigatória nesse período.


Após uma plástica, a drenagem linfática é obrigatória, já que o ato cirúrgico causa algumas lesões no corpo que provocam o extravasamento de líquidos do interior das células para a camada abaixo da pele e à formação de cicatrizes e hematomas. A drenagem linfática distribui este líquido para os gânglios e com isso diminui o inchaço da região operada, além de ajudar a reabsorção de hematomas, acelerando o processo de cicatrização do corpo e diminuindo o risco de infecções secundárias. Indicada após a maioria das cirurgias plásticas, a drenagem se faz necessária devido à grande destruição de vasos e nervos causados pelas intervenções, que podem gerar edemas, dor e diminuição da sensibilidade cutânea, ou seja, desconforto ao paciente.


De maneira geral, a drenagem linfática realizada no pós-operatório imediato promove melhora do desconforto, afinal melhora a congestão tecidual e contribui também para o retorno precoce da normalização da sensibilidade cutânea local.

Nos traumas mecânicos, como na cirurgia plástica, pode haver alterações estruturais ou funcionais dos vasos linfáticos, causados normalmente por compressão (hematoma, fibrose). “Essa obstrução mecânica modificará o equilíbrio, resultando inevitavelmente em edema, que é definido como acúmulo de excesso de líquido no espaço intersticial como resultado de quebra do equilíbrio entre a pressão interna e externa da membrana celular ou uma obstrução do retorno linfático e venoso”, complementa o médico. Sendo o principal objetivo da drenagem linfática, drenar o excesso de líquido acumulado nos espaços intersticiais, de forma a manter o equilíbrio das pressões tissulares e hidrostáticas.

Indicada principalmente após a ritidoplastia, rinoplastia, blefaroplastia, preenchimento de rugas e sulcos, lipoaspiração, abdominoplastia, cirurgia de mamas e outros procedimentos que possam desencadear um edema que persiste por mais de dois dias. Mas é importante salientar que em casos de inflamação dos vasos linfáticos, veias ou outros problemas venosos, a drenagem é contraindicada. A drenagem é realizada através de massagem lenta e delicada, além de diminuir o processo inflamatório causado pelo trauma, a drenagem retira o excesso de água (edema), toxinas e detritos locais (proteínas). O ideal é que se iniciem as sessões após as primeiras 48hs depois da cirurgia, sempre após liberação médica, pois ele vai avaliar cada caso e fazer a liberação. Ela deve respeitar os moldes clássicos de drenagem linfática manual estabelecidas internacionalmente pelo Instituto Alemão de Linfologia, ou seja, nunca usará cremes ou óleos, sempre será de leve a extremamente leve, nunca deverá causar dor ou desconforto algum para o paciente e os movimentos serão sempre rítmicos e repetitivos. São indicadas de seis a 20 sessões, de acordo com a indicação médica.

No pré-operatório, a drenagem linfática é utilizada para estimular o sistema linfático, para que após o ato cirúrgico, o tecido que não for lesionado possa responder de forma mais eficiente. Normalmente as aplicações iniciam-se, no mínimo, uma semana antes da cirurgia e em dias alternados, sendo que a última aplicação deverá coincidir com a véspera do procedimento cirúrgico. Assim, todo o sistema linfático da face estará mais ativo e com maior capacidade de resposta durante o pós-operatório imediato.